Página Inicial

 Multas :
           Recursos
           Consulta
           Parcelamento
 Veículos :
          Licenciamento
          Débitos
 CNH :
          Defesa
          Pontuação
          Suspensão
 Guia de Roteiros
 Tire sua Dúvida
 Legislação
 Notícias
 Evite Novas Multas
 Câmeras e Radares
 Rodízio
 Estradas
 Links e Telefones
 Direção Defensiva
 Primeiro Socorros  
 Agente de Trânsito 
 Simulado - DETRAN 
 Teste de Visão 
 Mecânica
 Manutenção
 Compra e Venda
 Seguros
 Consórcios
 Despachantes
 Lojas
 Quem Somos
 Portfólio
 Franquias
 Parcerias
 Localização
 Contato

Primeiros Socorros

Definição

São procedimentos de emergência que visam manter as funções vitais e evitar o agravamento de uma pessoa ferida, inconsciente ou em perigo de vida, até que ela receba assistência qualificada.

Atitudes básicas

O Socorrista de emergência, é a pessoa que presta o socorro à vítima de acidente. Ele pode adotar medidas básicas, como segue:

1) Agir rápido, porém com calma
2) Transmitir confiança, tranquilidade, alívio e segurança.
3) Usar os conhecimentos básicos de primeiros socorros
4) Preparar-se para improvisar
5) Previnir-se contra doenças infecto-contagiosas
6) Evitar se ferir durante o atendimento
7) Não levar a mão a boca e aos olhos sem antes lava-las com água e sabão

Socorro Especializado

- 193 - SIATE - Bombeiros
- 194 - BPTRAN - Polícia de Trânsito
- 190 - Polícia Militar
- 1527 - Polícia Rodoviária Federal

· Informe

1) Local do acidente
2) Número de vítimas e gravidade do acidente
3) As condições do trânsito local
4) Descrição do acidente
5) Primeiros socorros que já foram aplicados

· Evite novos acidentes

1) Sinalize corretamente o local
2) Utilize o triângulo, luzes ou galhos
3) Evite incêndios e explosões
4) Afaste as condições de perigo

Procedimentos básicos de primeiros socorros

A) Avaliação primária

As técnicas para a avaliação primária devem obedecer uma seqüência padronizada, corrigindo imediatamente os problemas encontrados, vejamos os passos:

1) Vias aéreas, com controle de coluna cervical

Se o acidentado estiver impossibilitado de respirar, poderá morrer ou ter danos irreversíveis no cérebro. Se notar a obstrução de passagem de ar, aja imediatamente:

· Abrir a boca da vítima e, com os dedos, remova dentaduras, próteses, restos de alimentos, sangue, líquidos e outros objetos que possam estar impedindo a perfeita respiração
· Posicionar corretamente a cabeça, com o queixo levemente erguido, para facilitar a respiração
· Porém tomar muito cuidado com a possibilidade de fratura de coluna cervical.

2) Respiração

Aproximando-se da vítima escute a boca e o nariz, observando conjuntamento os movimentos caracterísiticos de tórax e abdômen. Se o acidentado não estiver respirando, deve-se proceder imediatamente os procedimentos de parada cárdio-respiratória.

3) Circulação

Verificando a pulsação, percebe-se importantes informações sobre o acidentado. Se o pulso está fraco e a pele pálida, conjuntamente com lábios arroxeados, pode ser sinal de estado de choque. Se não houver pulso, temos provavelmente uma parada cárdio-respiratória.

4) Alterações neurológicas

A Vítima em estado de inconsciência, pode ser uma fratura na coluna vertebral. Portanto o nível de consciência, deve ser verificado, da seguintes forma:

· Verifique se a vítima se comunica.
· Se ela não estiver se comunicando, veja se reage ao toque ou à dor.
· Se a vítima estiver inconsciente, mas respirando, não se deve deixá-la de costas, para evitar asfixia e afogamento.

B) Parada cardíaca e Respiratória

A vítima apresentando ausência de movimentos respiratórios ou de batimentos cardíacos é fundamental a recuperação imediata destes sinais vitais. Para tanto, se deve detectar as possíveis causas da parada cárdio-respiratória, que podem ser:

· Choque elétrico
· Gases venenosos
· Afogamento, asfixia ou sufocamento
· Traumatismos violentos
· Reação a medicamentos
· Intoxicação
· Infartos

C) Respiração artificial

Existem três tipos de respiração artificial:

· Boca à Boca
· Boca máscara
· Por aparelhos

- Como realizar a respiração boca à boca

· Deite a vítima de costas.
· Retire da boca da vítima: dentadura, pontes, resto de alimentos, etc.
· Levante a nuca, incline a cabeça para trás
· Tampe as narinas e abra a boca da vítima
· Aplique sua boca sobre a boca da vítima
· Assopre o pulmão da vítima até encher
· Afaste e repita a operação entre 12 a 18 vezes por minuto.
· Continue o procedimento durante a remoção
· Se não houver pulsação, aplique a massagem cardíaca ao mesmo tempo.
· Existe ainda, variações neste tipo de respiração como a boca nariz que é utilizada em caso de fratura de mandíbula

- Como realizar a respiração Boca máscara

· São os mesmos procedimentos da respiração boca à boca substituindo a boca do socorrista por uma máscara especial que cubra a boca e o nariz da vítima

D) Reanimação cardíaca

Muitas vezes utilizada em conjunto com a respiração artifical, as técnicas para a reanimação cardíaca são:

- prodecimentos

· Deite a vítima de costas em superfície firme.
· Ajoelhe-se ao seu lado.
· Estique os braços, apoie uma mão sobre a outra sobre o peito da vítima, na região entre os mamilos, sem apoiar os dedos. (3 dedos do apêndice xifóide)
· Faça compressões curtas e fortes, regularmente (60 por minuto)
· Repita a operação até que chegue auxílio médico.

- Com 1 Atendente

· Faça 15 compressões cardíacas e em seguida 2 respirações boca à boca.
· Repita a operação até que chegue auxílio médico

- Com 2 atendentes

· Um atendente faz 5 compressões cardíacas.
· Imediatamente após, o outro atendente faz 1 respiração boca à boca
· Repetir a operação até a reanimação.

E) Estado de choque

- Sintomas

· Pele pálida, fria e pegajosa
· Pulso rápido e fraco
· Respiração rápida, curta e irregular
· Náuseas e vômitos.
· Sensação de frio e tremores.
· Visão nublada e pupilas dilatadas
· Algumas vezes inconsciência.

- Procedimentos

· Afaste ou controle a causa
· Controle a respiração e os batimentos cardíacos.
· Retire a dentadura e outros objetos da boca.
· Se estiver consciente e respirando bem, deite a vítima, com a cabeça mais baixa que o corpo exceto se houver suspeita de fraturas no crânio.
· Afrouxe a roupa.
· Coloque a vítima de lado, se estiver inconsciente, vomitando ou sangrando.
· Agasalhe e proteja a vítima.

F) HEMORRAGIAS

- Hemorragia interna

Sintomas

· Pulso fraco e acelerado
· Pele fria e pálida
· Mucosas dos olhos e da boca brancas.
· Mãos e dedos arroxeados.
· Sede, tontura e inconsciência

Procedimentos

· Coloque a cabeça mais baixa que o corpo.
· Aplique gelo no local
· Não deixe tomar líquidos
· Observe a respiração e os batimentos para evitar estado de choque

- Hemorragia nasal

Procedimentos

· Afrouxar a roupa
· Se o pulso estiver forte, deixe sair um pouco de sangue
· Respirar pela boca e não assoar o nariz
· Comprima a narina por 5 a 10 minutos
· Tampe a narina com algodão
· Coloque compressa fria ou gelo na nuca

- Hemorragia externa

Sintomas

· Perda de sangue por rompimento de veia ou artéria, quando abundante, pode matar a vítima num período de 3 a 5 minutos. Como saber o tipo de rompimento?
· Arterial: sangue vermelho vivo com jatos fortes.
· Venosa: Há um escorrimento contínuo de sangue

Procedimentos

· Mantenha a vítima deitada e imóvel
· Eleve a área ferida
· Aplique gaze ou pano limpo e pressione
· Amarre firme com atadura ou pano
· Comprima a artéria na região acima do ferimento.

G) FRATURAS

Sintomas

· Aspecto e posição anormal.
· Muita dor no local
· Alterações de cor
· Articulações inchadas ou deformadas
· Impossibilidade de movimento

- Fratura fechada

Procedimentos

· Não movimente a vítima, somente o necessário
· Coloque o membro na posição mais natural possível
· Imobilize imediatamente
· Na dúvida aja como se fosse uma fratura

- Fratura aberta ou exposta

Procedimentos

· Aplique gaze ou pano limpo, sem tentar limpar
· Fixar com uma bandagem, gravata ou cinto
· Imobilize, mexendo o mínimo possível

- Fratura na coluna vertebral

Sintomas

· Dores nas costas ou no pescoço
· Aspecto anormal
· Formigamentos e dormência
· A vítima não sente ou não movimenta alguma parte do corpo.

Procedimentos

· Não mexa e não deixe ninguém tocar na vítima até a chegada do socorro.
· Mantenha a vítima agasalhada e imóvel
· Observe a respiração e se existe risco de parada cardio respiratória
· Antes de mover a vítima, imobilize-a completamente.

- Fratura de crânio

Sintomas

· Lesões na cabeça
· Perda de sangue pela boca, nariz ou ouvidos
· Tontura e desmaios
· Dor de cabeça
· Enjôo e vômitos
· Alterações no tamanho das pupilas

Procedimentos

· Mantenha a cabeça levantada
· Afrouxe as roupas no pescoço
· Apoie a cabeça em local macio.
· Se houver ferimento, cubra com gaze sem pressionar.
· Enfaixe a cabeça sem comprimir áreas moles ou deprimidas
· Não dê nada para a vítima beber ou comer
· Mantenha a abordagem primária.

- Fratura de Costela

Sintomas

· Dores no tórax, principalmente ao respirar.
· Corpo torcido
· Amolecimento, deformações e deslocamentos dos tecidos no local
· Em caso de perfuração dos pulmões haverá sangramento pela boca..

Procedimentos

· Movimente a vítima o mínimo possível
· Enfaixe o tórax com ataduras largas
· Mantenha as vias aéreas desobstruídas
· Atenção aos sinais vitais.

- Fratura de Bacia

Sintomas

· Intensa dor no quadril
· Impossibilidade de mover as pernas

Procedimentos

· Não mova a vítima e nem deixe que ela se mova
· Imobilize completamente a vítima.

LEMBRE-SE: Deixar de prestar socorro a vítima de acidentes ou pessoas em perigo eminente, é crime. Previsto no Art. 135 do Código Penal Brasileiro.

Em breve abordaremos novos assuntos.

Para maiores informações contate-nos.


       

Host & Design Centersite